segunda-feira, 14 de setembro de 2009

EU AMO ESCREVER...DESDE SEMPRE Este post eu dedico a minha mãe: Maria Socorro Pedrosa, com amor!



Noite quente...

Eu amo escrever.
Sempre escrevi, e mostrava tudo pra minha mãe, que adorava...

Ganhei um concurso literário da Mannesmannn, onde meu pai trabalhou por 25 anos.
Eu tinha 15 anos, o concurso era pra maiores de 16, como não pediram nenhum comprovante de documento para inscrição, só a carteira funcional do meu pai,
menti a idade e me inscrevi.
Claro que eu sonhava ganhar, mas nem de longe acreditava.
Era um sonho!
E eu ganhei!!!
Puts! como falar da mentira?!
Nem meus pais sabiam deste "detalhe", fiz tudo sozinha.
Sofri, com medo e vergonha misturados com o prazer de ter ganhado!

No dia da premiação, eu falei de cara, no microfone, que tinha mentido!

Quando fui chamada para receber o prémio, assumi minha mentira e falei da grande vontade que tinha de participar, e que tinha mentido porque nunca achava que ganharia, que acreditava que ninguém saberia, e que meus pais não tinham nada a ver com a mentira, que eu tinha feito tudo sozinha.
Fui aplaudida de pé.
Pela dupla coragem...
Foi um êxtase!

Meu pai, um simples peão de fábrica, passou a ser cumprimentado pelos superiores,
e os "superiores dos superiores" pelo nome... rsss...

Minha mãe acreditava que tinha nascido ali a filha escritora!
Orgulhosa e feliz com as fotos da cerimônia debaixo do braço,
motrando pra todo mundo!

Só que minha mãe morreu, dias depois!
Na noite de natal!!!

Morreu aos 40 anos de hepatite tóxica, fulminante!
Imagina como minha vida ficou?

Eu tinha 15 anos, única filha, e dois irmãos de 14 e 13 anos.
Hoje, uma garota de 15 anos é muito mulher, eu era uma menina!

Hoje, com a mesma idade que ele tinha quando morreu, 25 anos depois,
meus olhos ainda se enchem de lágrimas...

Fui na palestra da Leila Ferreira como eu tinha contado que iria, na quarta-feira passada dia 09.09.09 Uma palestra magnifica, e entre outras coisas ela falou muito da mãe e dos valores familiares...
A mãe dela tem hoje, 92 anos!!!!!!! Um privilégio!!

Um palestra é linda e forte!
Chorei muito...
Minhas lágrimas naquele dia foram pela mãe de 92 que ela tem, que presente!
E que eu não, desde tão cedo!
Já tive inveja, raiva de quem tem mãe...
Hoje estou em paz,

Deus cuidou de mim, fiz terapia e fui abençoada com a maternidade.
Tenho dois filhotes, Nicolas de 10, e Kevin de 7 anos.
Já disse, falo pro quatros cantos, preciso falar...
Desse meninos que sairam de mim...
Que me deram sentido de família de novo...
Que me deram Natal outra vez!

Chorei ouvindo ela falar das cartas semanais, trocadas com a mãe quando ela morava em Londres. Da mãe pintando a casa de branco pra iluminar sua chegada, foi com ternura, que chorei... Não é mais de mágoa, estou em paz!

Eu nunca tive esse "colo"...
Desde cedo fui eu quem dei colo aos meu pai, irmãos, depois marido, filhos...
Passei por uma linha ténue de me tornar amarga e dura!

E eu nunca mais escrevi!

Minha família é muito simples, embora tivesse Lorenzzeti desde que nasci!
Mas as coisas não foram nada fáceis, aliás foram duras pra caramba!
Mas estamos todos inteiros!

Agora eu voltei a escrever de novo...
Acho que eu sou meio cronista...
Cada texto tem um contexto na minha vida...
Aqui no blog, num ensaio de livro!

Queria dividir com vocês...
Beijos
Cheio de carinho
Gisele



20 comentários:

  1. Olá Gisele,
    Emocionante o seu relato. Eu confesso que o convívio com meus pais não é dos melhores, mas acho que o respeito é o fundamental.
    Pode parecer bobeira tudo isso, mas se pelo menos as pessoas aprendessem a respeitar as diversidades, de opinião e de estilo de vida,provavelmente o mundo seria menos conturbado.
    Apesar de meus pais terem um estilo muito diferente do meu, eu faço como aquela obrigação "DEVO" respeitá-los.
    Há casos onde devemos mesmo... e se não sai do coração, pelo menos da mente deve sair.
    Com respeito ao outro tema, eu não sou mãe, mas admiro as mulheres que sabem ser mãe com classe, e o fazem opção, não "porque aconteceu"... ou porque "a minha vizinha teve filhos eu também tenho que ter", ou porque "o marido quer".
    Acho que a maternidade é linda, mas deve ser planejada, e principamente, querida!
    Um abraço!
    Marcia

    ResponderExcluir
  2. Gisele,
    Seus posts são obras-primas. Adorei o "EU AMO ESCREVER..." e também o "Maternidade". Isso pode até virar livro.
    Atenciosamente,
    Fernando Rezende Faria

    ResponderExcluir
  3. Gi, que pessoa linda...
    as coisas se atraem..
    como vc atraiu a atenção dela
    Compartilhe comigo pois tb gosto da simplicidade
    bj
    Soraia.

    ResponderExcluir
  4. Oi Gisele,
    Tudo bem? vc e tao amavel, simpatica.
    Vi o seu blog, maravilhoso!!! parabens!!!
    Desejo muito sucesso a vc e vc merece muito.
    Um grande abraco,
    Mariangela.

    ResponderExcluir
  5. Oi Gisele! Que legal que seu filho gostou!
    Claro que podemos fazer uma oficina! Seria muito legal, podemos fazer uma tarde inteira de dbraduras. Estou sem telefone esses dias, se vc quiser pode me escrever um email ystavale@yahoo.com.br
    Se voce quiser pode chamar mais gente tambem. Ate umas 5 pessoas seria otimo. A gente bola coisas bem legais pra fazer! Nos falamos.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Marcia querida, fico como sempre muito feliz por vc ler e comentar os meus textos. Obrigada mesmo!Quantoa a maternidade, temo que respeitar seu tempo e suas opçãos, respietar inclusive as pessoss que optam por não ter filhos! Respeito muitíssimo essa opção, só não respeito quem tem e não se envolve coma doação necessária. É um crime! BJS

    ResponderExcluir
  7. mariagela, seja muito bem vinda aqui, volte outras vezes!! BJS

    ResponderExcluir
  8. Soraia linda é vc querida! Seja sempre muito bem vinda aqui..., BJS

    ResponderExcluir
  9. Fernando querido, obrigada suas considerações, são muito imporrtanmtse para mim, eu o considero muito! Obrigada! BJS

    ResponderExcluir
  10. Yuri, vamos marcar um tarde deliciosa então..,. BJS

    ResponderExcluir
  11. Amiga Mineira!
    Que história triste.Acontecimentos que marcam nossa vida para sempre.Temos momentos de dois tipos: os alegres e positivos e os tristes e negativos,mas estes deixam um legado mais forte. Não sou nada religioso, não sei se é bom ou ruim ser assim, mas é assim que fui criado.Mas tem algumas frases religiosas que são perfeitas, ou quase.
    Acredito que tudo que vivemos é importante, nos faz crescer, nos deixa mais preparados para a vida. ...... ah..tava me esquecendo da frase... "o que não me derruba, me fortalece".
    Refletindo mais sobre essa frase peço licença para mudar um pouco, mas sem deixar que perca seu sentido . Na verdade até o que nos derruba nos fortalece, desde que saibamos nos levantar e enfrentar o que vier.
    Acho que escrevi demais hoje heim?? hehe
    Um super abraço e parabéns pelo texto. Lindo mesmo.
    Cassiano

    ResponderExcluir
  12. Amigo paulista, e comos saímos fortalecidos das dores... Minha vida foi deita a apartir disso... Consegui ver o aprendizado da dor, enão foi fácil. Mas messa mesma dor me deixou mais sensível, mais atenta para vida, tenho uma urgência em viver, falar hj com os que amo, que os amo! Não deixar uma oportunidade de estar com os meus e de ama-los... ADOREI! vc ter escrito "muito", e muito pra mim é fichinha né? Com esses meus longos textos... Fico muito feliz por vc le-los... BJS

    ResponderExcluir
  13. Gisele, fiquei tão comovida com o texto... Tenho minha mãezinha bem viva, mas ela tb perdeu a dela aos 15 anos. Eu olho pra ela e penso "Vc é uma heroína". Pode apostar q seus filhos pensarão isso de vc tb.
    Beijo grande, Aline

    ResponderExcluir
  14. Iche...Entrei e adorei...
    Gravei em favoritos, pois tenho que ler com calma...
    Vou vendo um pouquinho cada dia...
    Parabens!

    Tãnia

    ResponderExcluir
  15. Aline, "peça rara", adoro seus textos! Eu brindo sua mãe viva! E todas as outras mães! Eu brindo todos os dia so privilégio de ser mãe! Minha história é essa, sou tb mais forte (não chegou a ser uam heroina) por ter sido assim, as vezes fico muito, muito triste mesmo, mas na maioria das vezes eu saboreio as boas lembranças e encho minha vida de vida! Simplesmente vida! BJS

    ResponderExcluir
  16. Tania,
    vá com calma então...
    rsss!
    BJS

    ResponderExcluir
  17. que bacana!!!eu chorei aqui,foi muito bonito oque escreveu

    ResponderExcluir
  18. Obrigada amiga Maguy, muito obrigada! Tenha certeza, hj vc é uma das minhas incetivadoras a continuar a escrever. BJS

    ResponderExcluir
  19. Gisele, que história mais linda, fico imaginando como vc se sentiu ao passar por tudo isso, é muito triste perder a mãe cedo, eu perdi a minha qdo tinha 25 anos achei q era cedo ainda mais você que foi com 15, também setia inveja de quem tinha mãe, mas superamos isso, ainda bem! fico feliz por sua vida ter dado uma volta enorme, e que você tem voltado a escrever, eu amo escrever também, as palavras escritas me libertam!
    Parabéns pela atitude e coragem aos 15 anos! você é o máximo!

    Grande abraço,
    Joseane Costa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joseane
      Deus me fez extremamente maleável e forte ao mesmo tempo, eu vivo tendo que dar a volta por cima...
      As vezes me desespero, mas eu sempre recomeço de novo, e novo e de novo...
      Obrigada pelo carinho
      Gisele

      Excluir